CD – André Rio – Viva Pernambuco Toureuropa

capa

Colaboração do Enrique Matos, de Lisboa, Portugal

lista

Nesse disco, André Rio convidou Luciano Magno e Benil para participarem.

verso

A turnê recebeu apoio da prefeitura do Recife e do governo do Estado.

André Rio – Viva Pernambuco Toureuropa
(Andre Rio convida Luciano Magno e Benil)
2015

01 – Farol De Olinda (André Rio)
02 – Lamento Sertanejo (Dominguinhos – Gilberto Gil) – Sebastiana (Rosil Cavalcanti) – Canto Da Ema (João do Vale – Ayres Vianna – Alventino Cavalcanti)
03 – Caldeirão Do Meu Nordeste (André Rio)
04 – Clara Visão (Pedro Moreno)
05 – Do Litoral ao Sertão (André Rio)
06 – Embolada (Marrom Brasileiro)
07 – Junho (André Rio – Carlos Fernando)
08 – Baião (Luiz Gonzaga – Humberto Teixeira)
09 – Indiferença (Luciano Magno – Gilton Della Cella)
10 – Tá Querendo (André Rio)
11 – Na Levada da Embolada (André Rio)
12 – A Ponte (Lenine – Lula Queiroga)
13 – Leão do Norte (Lenine – Paulo Cesar Pinheiro)
14 – Por Amor (Pedro Moreno)
15 – Vai Pegar Fogo (Benil – Roberto Cruz)
16 – Chuva de Sombrinhas (André Rio – Nena Queiroga)
17 – Pátria Amada – Banho De Cheiro – Lenha No Fogo (Carlos Fernando)
18 – Se Joga e Vai (André Rio)
19 – Forró Do Futuro (Assisão)
20 – Maracatu Real (André Rio)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Xico Bizerra e Dominguinhos – Luar Agreste no Céu Carirí – Forroboxote 10

folder

Colaboração do Xico Bizerra

OBRIGADO, ‘SEU’ DOMINGOS

Num final de tarde de Fevereiro de 2011 recebo um telefonema que, não estivesse identificado no visor do Celular, iria me parecer como alguém por Dominguinhos se passando. Era o Mestre. Solicitava-me que colocasse letra em um forró que ele estava preparando para o disco novo de uma grande cantora de nossa Música Popular Brasileira. Marcamos um encontro e passamos o dia quase que todo conversando e ouvindo ele tocar e compor, tudo de improviso, coisa que só os gênios são capazes. Como se não bastasse tamanha alegria, ao encontro também se fizeram presentes Xangai e Paulo Vanderley, este, amigo comum e profundo conhecedor da obra do Mestre. Ao invés de um forró, o Mestre me presenteou com 11 melodias com a proposta de que eu as ‘letrasse’.

frente

Fiquei a ouvir aquelas músicas, todas tão lindas e profundas, feitas de improviso, de uma só tacada. E eu me sentindo incapaz de compor à altura, temendo decepcionar quem me confiara aquela preciosidade, como antes fizera com Chico Buarque, com Djavan, com Fausto Nilo, com Gil e com tantos outros Poetas de estirpe enorme. Guardava-as, olhava-as e tornava a guardá-las.

Às vezes penso que era um gesto inconsciente de egoísmo, de querer guardar aquilo só pra mim, de não torná-las conhecidas ao mundo. O que seria um pecado, dos mais mortais. Outras vezes eu imaginava tratar-se de um brinquedo e eu, menino abobalhado com o presente recebido, sem querer estragá-lo, preservava-o egoisticamente das outras pessoas. Aquelas músicas eram jóias preciosas que não podiam ser usadas no dia-a-dia, ou um vinho temperado pelo tempo, que não devia ser bebido de um gole só. Depois que fiz as letras e da decisão de fazer o disco, veio a última e final indecisão: e agora, o que vou fazer? Depois dessa parceria exauriu-se o Poeta que havia em mim. Onde vou encontrar melodias tão bonitas, harmonias tão ricas para motivar-me a escrever letras? Acho que cheguei ao estágio mais elevado que um letrista pode chegar.

verso

Eis o disco. É uma homenagem óbvia a seu Domingos mas que estendo também ao Mestre maior de todos nós, seu Luiz Gonzaga, no ano do seu centenário. Até porque foi ele, Seu Luiz, que enxergou num distante menino chamado Nenen, integrante dos Pinguins de Garanhuns, o talento que o mundo depois veio a conhecer.

Obrigado, seu Domingos.

XICO BIZERRA, numa noite de setembro quase outubro, vendo a lua refletir-se no espelho-mar de Candeias, segredando ao mundo minha alegria pelo fazimento deste disco.

Xico Bizerra e Dominguinhos – Luar Agreste no Céu Carirí
2013 – Passadisco

01 – Senhora da Minha Alegria (Dominguinhos – Xico Bizerra) – Dominguinhos e Waldonys
02 – Estrelas que se encantam (Dominguinhos – Xico Bizerra) – Elba Ramalho
03 – Mil Sorrisos (Dominguinhos – Xico Bizerra) – Guadalupe
04 – Sem talvez ou porem (Dominguinhos – Xico Bizerra) – Adelson Viana
05 – Casa da lua Menina (Dominguinhos – Xico Bizerra) – Socorro Lira
06 – Até onde a alma alcança (Dominguinhos – Xico Bizerra) – Maria da Paz
07 – Pássaros de Papel (Dominguinhos – Xico Bizerra) – Chris Nolasco
08 – No tempo do meu pai (Dominguinhos – Anastácia – Xico Bizerra) – Maciel Melo
09 – Tempo de Nós Dois (Dominguinhos – Xico Bizerra) – André Rio
10 – Morena cor de Saudade (Dominguinhos – Xico Bizerra) – Paulinho Leite e Lêda Dias
11 – Todo Tudo e Pouco Nada (Dominguinhos – Xico Bizerra) – Tom Fil
12 – Lua Brasil (Xico Bizerra) – Dominguinhos

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

post image

CD – Xico Bizerra – Forroboxote 09

Colaboração do Xico Bizerra

“Candeeiros e Neons são cúmplices da luz, cada qual ao seu modo. Se um reluz menos, compensa seu menos-brilhar com o sentimento da saudade, da lembrança, do romantismo. Se mais o outro brilha, sua luz se confunde com clarões outros, tão intensos e modernos quanto a dele, difundindo-se. Mas, ao final, cumprem a mesma função de desescurecer o que claro deve estar, num terreiro do sertão ou num asfalto da metrópole.

A luz deles emanava e emana, antes e agora. O tradicional evolucionou para o moderno, com deslocamentos graduais e harmônicos, sem perder sua característica principal e sem desvirtuar o objetivo essencial do iluminar. Apenas evoluiu, transformou-se acompanhando seu tempo, modernizando-se, mas mantendo o elemento físico contra o qual se dirigem suas operações: A LUZ. O raio do novo, a luminosidade do luzente, a claridade de um sol recente depois da espessa e densa neblina da escuridão.

O Candeeiro é SIMPLES e TRADICIONAL. O Neon é MODERNO, é SOFISTICADO. Buscamos, em quase 200 horas de estúdio e com o apoio de 58 pessoas diretamente envolvidas no processo – intérpretes, compositores, músicos, técnicos, arranjadores, produtores, designer gráfico, tornar confluentes esses conceitos antagônicos, promovendo a convergência do tradicional, representado pelos ritmos nossos, com o moderno, vestindo-os com um figurino atualizado. As canções, simples e sem maiores complexidades melódico-harmônicas, plenamente entendível para qualquer ouvido, se revestem de sofisticação – sem a presunção que o termo sugere, mas consciente do cuidado na elaboração dos arranjos e nas escolhas que fizemos para a consecução de cada uma delas.

Não sei se é um disco de forró, embora alguns deles aqui estejam. Talvez melhor classificá-lo como um disco de música regional, ou, simplesmente de um disco. Só. De um disco que não envergonharia àquele a quem dedico o trabalho: TOINHO ALVES, pela competência, pelo talento e por tudo que representou para a nossa Música, além de reunir em sua obra todos os conceitos que dão sustentação a esse trabalho. Ele também era tradicional e moderno, simples e sofisticado. Por isso era tão bom, por não se render à acomodação da mesmice, ao pé fincado apenas no ontem, sem o coração no hoje, sem a alma no amanhã, sem a crença no sempre.

Aí está o CANDEIROS e NEONS. Devem ser acendidos sem preconceitos. E que a luz que deles advir resulte no despertar da importância da arte na consolidação de nossa Nordestinidade. Ontem, hoje e sempre.

XICO BIZERRA, numa noite de um quase Outubro do ano 10, vendo uma estrela passear sobre o mar do Recife, refletindo na alma de quem vê sua LUZ o desejo de que os homens sejam do bem, de que o mundo seja melhor, de que os dias sejam de paz. E será.”

Textos retirados do sítio oficial de Xico Bizerra, para mais informações, acesse: http://www.forroboxote.com.br

Xico Bizerra – Forroboxote 09
2011

01. Cores da alegria (Xico Bizerra – Maria da Paz) Irah Caldeira
02. Pano do dia um (Xico Bizerra – Maciel Melo – Zeh Rocha) Maciel Melo
03. Estrada longa (Xico Bizerra – Bráulio Medeiros) Cezzinha e Elba Ramalho
04. Santa Trindade (Xico Bizerra – André Macambira) André Rio
05. Eu e nós (Xico Bizerra – André Macambira) André Macambira
06. Hoje tem forró (Xico Bizerra – Fábio Passadisco) Silvério Pessoa
07. Ciço e Luzia – Uma opereta matuta (Xico Bizerra – Carlos Villela) Xangai e Bia Marinho
08. Festa das cores (Xico Bizerra – Maria da Paz) Cristina Amaral
09. Claridádiva (Xico Bizerra – Zeh Rocha) Geraldo Maia
10. Pise de mansinho (Xico Bizerra – Luiz Gonzaga) (Parc Póstuma) Santanna
11. Domingos (Xico Bizerra – Carlos Villela) Nena Queiroga
12. O romance do fole com a viola (Xico Bizerra) Zé Brown e Xico Bizerra
13. Noites do meu lembrar (Xico Bizerra – Carlos Villela) Carlos Villela
14. Baião das cores (Xico Bizerra – Carlos Villela) Flávio Leandro
15. O longe é perto (Xico Bizerra) Edilza Aires e Bárbara Aires
16. Olinda, Holanda (Xico Bizerra – Toinho Alves) Toinho Alves e o Quinteto Violado

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Quem somos

Somos uma rede filantrópica colaborativa de colecionadores e músicos.

Uma comunidade que se conheceu e se comunica virtualmente, unidos em torno de uma paixão comum, o forró tradicional.

Quer saber mais da nossa história?
Continue navegando neste portal.

Um grade abraço,
DJ Ivan

Facebook