Marinalva – Viva o nordeste

Essa é mais uma colaboração do DJ Vinícius de BH.

Direção de produção de Jackson do Pandeiro.

Marinalva – Viva o nordeste
1977- Chantecler

#01. Viva o nordeste (Alba)
#02. Eu sou assim (Paulo Patricio)
#03. Vou me incendiar (Raymundo Evangelista – J. B. de Aquino)
#04. Retirante, não (João Silva – J. B. de Aquino)
#05. Coração em festa (Alba)
#06. Forró animado (Italúcia)
#07. Rêde na varanda (Chuvisco – Marinalva)
#08. Eu vou pra Bahia (Alba)
#09. Evolução (Zezinho – Severino Cândido)
#10. Baião do pé (Alba – Neuza Flores)
#11. Beijo bom (Zezinho – Severino Cândido)
#12. Reza a São Francisco (Luiz Wanderley – Sebastião Rodrigues)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Clemilda – A coruja e o bacurau

A Clemilda, assim como vários artistas do forró, teve uma fase inicial antes da mídia com um forró tradicional e com a entrada da mídia e dos interesses comeciais mandarem nas produções culturais, uma segunda fase bem mais voltada para o duplo sentido.

Esse disco é uma boa oportunidade de observar a primeira fase, quando o duplo sentido era melhor trabalhado, com mais bom gosto e leveza. No final do LP uma pitada sertaneja.

Clemilda – A coruja e o bacurau
1976 – Musicolor

01 Reizado a São José (Raymundo Monte Santo)
02 Festa de vaquejada (Palmerinha da Bahia)
03 Já chagou São João (Juvenal Lopes)
04 Vira fazendeiro (Bento Ribeiro – Monalisa)
05 Vou de viola (Duda Santos – Clemilda)
06 Volte meu amor (Durval Vieira – Clemilda)
07 Romaria a Joazeiro (Clemilda – Ulisses Silva)
08 A coruja e o bacurau (Duda Santos – Ulisses Silva)
09 Saudade de um violeiro (Juvenal Lopes)
10 Invenção do cão (Duda Santos – Clemilda)
11 Vou rever a Bahia (Clemilda)
12 Cana verde (Tonico – Tinoco)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

CD – Trio Zabelê – Forró de dentro à fora

Formado por Valdo, Paulo e Alemão, o Trio Zabelê gravou esse disco em duas etapas, metade em Recife – PE, em Janeiro de 2003 e a outra metade em São Paulo, em setembro de 2004.

Participações especiais de Flávio José, Trio Sabiá, Cesar do acordeon, Derinho Santos, olivinho, Clayton e Genaro. Direção artística de Zito Menezes, do Trio Sabiá e irmão do Paulo, zabumbeiro desse Trio Zabelê.

Trio Zabelê – Forró de dentro à fora
2004

01 Lampião quebrado (Ciareg)
02 Xote da paixão (Renato Maia)
03 Coração desmantelado (Tita Caxeado)
04 Na pisada do forró (Cesar do acordeon)
05 Mil colibris (Xico Bizerra)
06 Forró de dentro à fora (João Caetano – Aldemário Coelho)
07 Ilusão (Antonio Lopes)
08 Feitiço (Sebastião Maciel)
09 Fogo de amor (derinho Santos – Ciareg)
10 Amor sem preconceito (Tio joca – Zito)
11 Dói dói (Kim de Oly – Lucimar)
12 Estou gamado (Kim de Oly)
13 São João animado (Rivaldo Couto – Alberto Couto)
14 Forró pra Ryan (Valdo Lima)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Gordurinha

quem-e

quem

Alguém sabe quem é?

Waldeck Artur de Macedo, o Gordurinha.

A primeira foto foi extraída da biografia do Jackson e as outras duas foram enviadas pelo DJ Dinei, de São Paulo – SP.

“Fossem os curiosos tentar advinhar-lhe o físico pelo apelido e Gordurinha seria até hoje mais um enigma na história da música popular brasileira. Magro na juventude, Waldeck Artur de Macêdo, nascido no bairro da Saúde, em Salvador, no dia 10 de agosto de 1922, ganhou seu apelido em 1938, quando já trabalhava na Rádio Sociedade da Bahia.

Do seu repúdio à colonização americana, epitomizada pela goma sde mascar nasceu o bebop samba, Chiclete com Banana , em parceria com Almira Castilho, que acabou por pronunciar o tropicalismo ao sugerir antropofagicamente na letra

” só boto bebop no meu samba

quando o Tio Sam pegar no tamborim/

quando ele entender que o samba não é rumba”.

Ele mesmo chegou a gravar, como que a tirar um sarro um rock entitulado “Tô doido para ficar maluco”.

Mas não foi só de glória e reconhecimento tardio a vida deste que, ao lado do Trio Nordestino, iria se transformar no baluarte do forró na Bahia. Sua estréia no mundo da música se deu em 1938, quando fez parte do conjunto vocal “Caídos do céu” que se apresentava na Rádio Sociedade da Bahia, fazendo logo depois par cômico com o compositor Dulphe Cruz. Logo se destacou pelo seu dom de humorista e pelo sarcasmo que iria ser disseminado em suas letras anos mais tarde.

Em 1942, cansado de tentar conciliar estudo e sessões de rádio, tomou a decisão se debateu com um dilema conhecido de muitos : medicina ou carreira artistica ? Como seus discípulos Zé Ramalho e Fred Dantas, Gordurinha caiu fora desse estória de clinicar. Largou a Faculdade de Medicina e seguiu sua sina de cigarra.

Os passos iniciais seriam dados numa Companhia Teatral. Caiu na estrada, mambembeando e povoando de música e pantomimas outras plagas.

Seu próximo passo seria um contrato na Rádio Jornal de Comércio, em Recife, em 1951. Depois, o jovem compositor, humorista e intérprete Gordurinha passaria pela rádio Tamandaré onde conheceu o poeta Ascenso Ferreira, figura folclórica do recife, Jackson do Pandeiro e Genival Lacerda. Estes dois últimos gravariam em primeira mão várias das suas composições

Em 1952 partiu para o Rio de Janeiro onde penou sofrendo gozações preconceituosas. Sublimando estes pormenores, conseguiu trabalhar nos programas Varandão da Casa Grande, na Rádio Nacional, e Café sem Concerto as Radios Tupi e Nacional, duas das maiores do país, sempre fazendo tipos humorísticos. Ficou neste circuito até que almejou um sonho que já alimentava desde os magros dias do Recife; um contrato no mais importante mídia do Brasil na época: a Rádio Nacional.

“Meu enxoval”, um samba-coco em parceria com Jackson do Pandeiro seria um dos carros chefes do disco “forró do Jackson”, de 61. Outro que se daria bem com uma composição do baiano seria o forrozeiro paraense Ary Lobo (mais um dos artistas que o Brasil insiste em esquecer) que prenunciou o Mangue beat ao cantar:

“Carangueijo-uçá, carangueijo-uçá

A apanho ele na lama

E boto no meu caçuá

Carangueijo bem gordo é gaiamum/

Cada corda de 10 eu dou mais um.

“Vendedor de carangueijo” seria gravado pela cantora Clara Nunes em 74 e por Gilberto Gil no seu “Quanta”, de 1997.” (fonte)

CD – As Bastianas – Chama pra dançar

As Bastianas na época desse disco eram formadas por Ana Júlia Ramalho, Angélica Lacerda, Jaqueline Alves, Laís Fontes e Saron Ducoco.

Sanfonas de Dominguinhos em algumas faixas e participação especial dele cantando na faixa “Saudade danada”.

As Bastianas – Chama pra dançar

01 Uma levada maneira (Jaqueline Alves)
02 Chama pra dançar (Jaqueline Alves)
03 Senso comum (Guia Lima)
04 Furdunço de linguagem (Jaqueline Alves)
05 Asa branca (Luiz Gonzaga – Humberto Teixeira)
06 Desassossego (Jaqueline Alves)
07 Saudade danada (Regina Negreiros – Angélica Lacerda)
08 Um pedido a são João (Tão longe) (Jaqueline Alves)
09 Pode me esperar (Jaqueline Alves)
10 Esquisitice (robson Bass)
11 Zé Limeira.com (Jaqueline Alves)
12 Dance xote (Jaqueline Alves)
13 São João na Serra da Borborema (Regina Negreiros – Angélica Lacerda)
14 Brazil, o cantador (Jaqueline Alves)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Abdias – Fole gemedor

Essa é mais uma colaboração do Lourenço Molla, de João Pessoa – PB. É o primeiro de alguns do grande mestre dos oito baixos que ele prometeu nos enviar.

A contra capa está meio judiada, mas vale a pena dar uma olhada para ver outros títulos do próprio Abdias, quem sabe um dia conseguiremos publicar todos eles…

Capa restaurada por Zete Barbosa.

Curiosamente as faixas “Arrasta-pé no Surrão” de Sebastião Rodrigues e Borrachinha e “Tocando borá” de Abdias Filho e Luiz Guimarães, foram lançadas no mesmo ano em 78RPM, no derradeiro disco de 78RPM do Abdias, afinal foi nessa época que os LongPlays dominaram completamente o mercado.

Abdias – Fole gemedor
1964 – CBS

01. Forró de fim de feira (Rosil Cavalcanti)
02. Beco da facada (Abdias Filho – Luiz Guimarães)
03. Fole gemedor (Luiz Gonzaga)
04. Clube dos compadre (João Silva – Pedro Cruz)
05. Tocando borá (Abdias Filho – Luiz Guimarães)
06. Sonolento (Raymundo Mundola – Abdias Filho)
07. Arrasta-pé no Surrão (Sebastião Rodrigues – Borrachinha)
08. Bombo frouxo (João Silva – Pedro Cruz)
09. Forró no riachão (Raymundo Mundola – Abdias Filho)
10. Cacimba de dentro (Pedro Cruz – Luiz Guimarães)
11. Sempre (K. Chimbinho)
12. Capengando (Abdias Filho – Luiz Guimarães)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Genival Lacerda – Presente de nordestino

Essa é mais uma colaboração do Jalon Cabral Neto, ele mandou o seguinte comentário sobre o disco:

“Este disco é de 1983, a curiosidade que eu tenho pra destacar desse LP é a faixa 06 ‘Pedro perigoso’, composição de Nando Cordel, que mais tarde a re-gravaria com o nome de ‘Sanfoneiro quando é bom'”

Eu destacaria também o belo arrasta-pé “Quero beijar”.

Genival Lacerda – Presente de nordestino
1983 – Copacabana

1. Presente de nordestino (Namd / Graça Góis)
2. Quero beijar (Cecílio Nena / Genival Lacerda / Ivan Bulhões)
3. Coisa que ilumina (Nicéas Drumont / Cecílio Nena / Graça Góis)
4. Amor no mato (Nando Terranova / Genival Lacerda)
5. Vaca mimosa (Namd / Graça Góis)
6. Pedro perigoso (Nando Cordel)
7. Lambe-lambe (Genival Lacerda / Cecílio Nena)
8. Nóis sofre mais nóis goza (Bráulio de Castro / Genival Lacerda)
9. No começo era bonito (Nando Terranova / Genival Lacerda)
10. A rabeca de Mestre Faustino (Bráulio de Castro / Genival Lacerda)
11. Bicho cantador (Cecílio Nena / Genival Lacerda)
12. Não palhaço (Cleonice / Graça Góis)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Trio Nordestino – Vamos xamegá

O áudio é uma colaboração do Francisco Edvaldo, de Morrinhos – CE, as capas são minhas. Não é muito fácil achar esses LPs pré-Copacabana, mas enfim, num golpe de sorte achei esse LP e o comprei, apenas pra fotografar as capas e publicar aqui.

Reparem na contra capa, as capas dos outros LPs da época.

Originalmente lançado em 1967, pela CBS, com o nome de “Amor pra todo lado”, foi re-lançado em 1973, com o nome de “Vamos xamegar”, essas capas, óbviamente, são do re-lançamento.

Destaque para as duas faixas que já deram nome ao disco “Vamos xamega” e “Amor pra todo lado”. Destaque também para duas faixas que ficaram menos conhecidas “Taí” e “De rostinho colado”.

Trio Nordestino – Vamos xamegá
1973 – Tropicana

1. Vamos xamegá (Dilson Dória / Elino Julião)
2. Xaxado no pé (João Silva / Reinaldo Costa)
3. Amor pra todo lado (Antônio Barros)
4. No garpão da bulandeira (João Silva / K-Boclinho)
5. Taí (Carlos Diniz / Erci Macedo)
6. Não chora Ninguém (Osvaldo Oliveira / José de Souza)
7. De rostinho colado (João Silva / J. B. Aquino)
8. Tem Geny (Juraci Alcântara)
9. Brincadeira na fogueira (Antônio Barros)
10. O vapor de cachoeira (Adpt. João Silva / Adpt. Sebastião Rodrigues)
11. Tropeiro (Jacinto Silva / D. Matias)
12. Saudade (João Silva / Sebastião Rodrigues)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Jorge Silva do Recife – Forró

Mais uma colaboração do Maicon Fuzuê, do Trio Araçá, que abriu parte do seu acervo particular para que possamos conhecer artistas diferentes que não chegaram a ficar famosos em nível nacional. Quem derá eu pudesse ter acesso aos acervos de todos os músicos, que normalmente são os colecionadores mais cuidadosos.

Destaque para “Duas meninas” de Jorge Silva do Recife e Suemi Sá e para Prá todo mundo de Aracílio Araújo, Ciro de Souza e Suemi Sá. Sanfonas de Duda da Passira e zabumba e triângulo de Quartinha.

Jorge Silva do Recife – Forró
1994 – Polydisc

01 Levante o dedo (Ciro de Souza – Suemi Sá – Jorge Silva do Recife)
02 Coração vagabundo (Ciro de Souza – Suemi Sá – Jorge Silva do Recife)
03 Meu tesouro (Ciro de Souza – Suemi Sá – Jorge Silva do Recife)
04 Cigano apaixonado (Aracílio Araújo)
05 Fome de amor (Gilberto Inácio)
06 A colheita (Jorge Silva do Recife – Zeno Fernandes)
07 Tanta solidão (Ciro de Souza – Suemi Sá)
08 Duas meninas (Jorge Silva do Recife – Suemi Sá)
09 Prá todo mundo (Aracílio Araújo – Ciro de Souza – Suemi Sá)
10 Acreditar em mim (Jorge Silva do Recife – Gino Liver – José Eugênio)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

post image

Azulão – Tempero de caboclo

Todos os discos lançados por esse selo “Esquema” são muito bons, não só o Azulão, que é um pouco mais conhecido, tem vários outros artistas que também foram registrados nesse selo e também são muito bons, vale pesquisar.

Coordenação de Américo Lima, destaque para “Depois da novena” de Assisão e João da Comdil.

Azulão – Tempero de caboclo
1977 – Esquema

01 Pobre matuto (Janduhy Finizola)
02 Quem tem sorte tem prazer (Gilvan Neves – Américo)
03 Tempero de caboclo (Tiago Duarte)
04 Machado corta (José Marcolino)
05 Chalero ela (Brito Lucena – Ivan Ferraz)
06 Eu e a saudade (Juarez Santiago)
07 Ainda sou romeiro (José Silva – Francisco Azulão)
08 Coração em festa (Agripino Aroeira)
09 Menina da capoeira (Janduhy Finizola)
10 Palmeira do amor (José orlando – Lídia Cavalcanti)
11 A velha se afogando (José silva – Nunes Ernandes)
12 Depois da novena (Assisão – João da Comdil)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

1 2 3 4

Quem somos

Somos uma rede filantrópica colaborativa de colecionadores e músicos.

Uma comunidade que se conheceu e se comunica virtualmente, unidos em torno de uma paixão comum, o forró tradicional.

Quer saber mais da nossa história?
Continue navegando neste portal.

Um grade abraço,
DJ Ivan

Facebook