Fernando Filizola – Tá cheirando a coisa boa

fernando-filizola-1986-ta-cheirando-a-coisa-boa-capa

Colaboração do Maicon Fuzuê, do Trio Aracá, radicado em São Paulo – SP. Após deixar a primeira formação do grupo “Quinteto Violado”, passaram-se dois anos até Fernando Filizola gravar esse disco, multi-instrumentista, artista plástico e produtor musical, recifense criado no município de Limoeiro, no agreste de Pernambuco, estudou piano, violão e sanfona.

fernando-filizola-1986-ta-cheirando-a-coisa-boa-selo-afernando-filizola-1986-ta-cheirando-a-coisa-boa-selo-b

Participaçãoes especiais de Dominguinhos na faixa título “Tá cheirando a coisa boa” de Fernando Filizola em parceria com Nando Cordel e de Nando Cordel na faixa “Olhos da saudade” de sua autoria.

fernando-filizola-1986-ta-cheirando-a-coisa-boa-verso

Gravado em dezembro de 1985, em Recife – PE, arranjos de Sérgio Kyrillos, Tovinho e Fernando Filizola, além de acordeons de Dominguinhos, Savinho e Fernando Filizola. Destaque para o arrastapé “Indo e voltando” de Fernando Filizola.

Fernando Filizola – Tá cheirando a coisa boa
1986 – Polydisc

01 Tá cheirando a coisa boa (Fernando Filizola – Nando Cordel)
02 Olhos da saudade (Nando Cordel)
03 Indo e voltando (Fernando Filizola)
04 Minha procura (Fernando Filizola)
05 Ternura (Janduhy Finizola)
06 Dia de mar azul (João Bá – Barbatana – Capenga)
07 Coração vadio (Fernando Filizola)
08 Balanço do amor (Nando Cordel)
09 Canto primeiro (Rogério Maranhão)
10 Passarinho liberdade (Fernando Filizola – Zé Geraldo)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Trio Nortista – Rapaz pobre

1976-trio-nortista-rapaz-pobre-capa

Colaboração do Jorge Paulo, dessa vez um disco mais recente, pra tentarmos completar a coleção do Trio Nortista.

1976-trio-nortista-rapaz-pobre-selo-a1976-trio-nortista-rapaz-pobre-selo-b

Na ocasião de gravação desse álbum, a formação do Trio Nortista era Xandú do Samba, Jonas de Andrade e Zequinha.

1976-trio-nortista-rapaz-pobre-verso

Direção artística de Marumby, destaque para “Transbordando de amor” de Zezé Martins e Delmari, para a faixa título “Rapaz pobre” de Zé Lagôa e José Augusto e para O cantador de Xandú do samba e Zequinha.

Trio Nortista – Rapaz pobre
1976 – Premier

#01. Vou e volto (Marumby – Ivan rodrigues)
#02. Eu danço São João (Jonas de Andrade)
#03. Transbordando de amor (Zezé Martins – Delmari)
#04. Festa de vaquejada (Jonas de Andrade)
#05. Terra boa (Alcides Malaquias)
#06. A semente (Cicero Pedro de Assis – Claudio Gomes)
#07. Rapaz pobre (Zé Lagôa – José Augusto)
#08. Não suporto a solidão (Jonas de Andrade)
#09. Feliz natal (Jonas de Andrade – Marumby)
#10. O cantador (Xandú do samba – Zequinha)
#11. Salve o Brasil (Jonas de Andrade – Cicero Pedro de Assis)
#12. Você vai meu bem (Jonas de Andrade)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Texto – De currais e forrós

Recebemos o texto abaixo do Jonas Duarte, professor doutor do Departamento de História da UFPB, em João Pessoa – PB, texto escrito durante a última madrugada.

curral1

curral3

curral4

De currais e forrós

Antes, imaginava eu, que essa mania de acordar cedo, ainda madrugada, era resultado de insônias, de problemas, etc. Bobagem! É a força do hábito. Não tem jeito, antes do sol sair meus olhos se abrem e não durmo mais. Por vezes tento por algumas horas que o sono volte, mas não consigo. Digitar algo nessa máquina virou então um costume, uma necessidade para esperar o dia.

Em conversas com amigos e parentes descubro que se trata de uma espécie de epidemia da minha geração, que assim como eu, viveu sua infância e juventude em fazendas, no campo, especialmente no Cariri. Não é, portanto, um desequilíbrio do sono, mas uma força extraordinária do nosso modo de viver na fazenda, no campo, no sítio, chame-se como quiser.

rede

Dormi em rede até os 18 anos. Não sabia e não gostava de dormir em cama. Minha rede, na primeira infância era na sala. Havia uma porta que ligava essa sala ao quarto de papai. Quando, por algum motivo tinha medo (quase sempre de alma), criava coragem pra gritar baixinho por papai ou mamãe e eles carinhosamente me levavam para cama deles, escondido dos irmãos mais velhos que não gozavam e sequer desconfiavam do privilégio e daquela cumplicidade dos dois comigo.

Bem antes do sol nascer papai chamava: ‘Buchudo’ vamos pro curral. Eu já estava de pé ao seu lado para, espantando os mosquitos, irmos tirar leite. Papai tirava o leite eu controlava a saída dos bezerros e tomava um copão de leite com açúcar, saído das tetas de Beleza ou Florada ou Celinha ou qualquer daquelas vacas minhas amigas. Delicioso. Os bezerros me conheciam e ficavam como numa fila esperando serem anunciados os nomes de suas mães.

Quando saía os primeiros raios de sol íamos comer cuscuz com leite. Papai reservava o “Bico da Galinha” pra mim ou pra Menininha (a irmã encostada a mim), porque senão havia briga entre todos os irmãos pelo “Bico da Galinha”, que na realidade é a parte “bicuda” do cuscuz cozido na cuscuzeira de barro.

Depois fui dormir no quarto com os irmãos mais velho e também “ganhei” o oficio de “moer o milho de molho” pra fazer o cuscuz, de madrugada, além de “botar água em casa”, antes do café da manhã. Eu moia a “Primeira Vez”, que era a mais maneira e também colocava água na forma que era menos e de mais perto, da cisterna encostada a casa. Eles iam buscar no barreiro ou na cacimba, a quilômetros.

cuzcuz

Damião, o mais velho, quebrava o milho, moia metade da “Terceira Vez” e peneirava. Realmente era injusto pra ele. Os dois, Damião e Teteto colocavam água em casa e iam ajudar a cortar palma. Depois com uma “Forrageira” (máquina de triturar palma) a diesel, se livraram dessa tarefa. Eu ia caçar preá, com os filhos do vaqueiro, nosso cachorro e os dele: Charel e Sabadela. Exatamente como narram os poetas cronistas do nosso sertão: “maguim, mas caçadozim como o diabo”. Pra confirmar a história, o nome do nosso cachorro era Rex.

A vida era simples e boa. Boa não, maravilhosa. Eu continuava a dormir em rede. Certa vez me colocaram para dormir numa cama, caí, quebrei um dente e fiquei “traumatizado”. Voltei à rede, até depois de taludo, passar por um processo de aprendizagem a dormir na cama, embora pra mim, a coisa melhor do mundo
ainda é deitar numa rede.

Como meu irmão Teteto tinha asma, dormia numa cama. Primeiramente numa “Cama de Patente”. Depois, num grande esforço, comprou-se uma “Cama de Acampamento”. Era uma cama de ferro dobrável, azul, com umas molas horizontais. Diziam que aliviaria sua alergia. Que nada, no frio Teteto começava a “piar”. Era uma agonia horrível. Toda casa ficava mobilizada em função da crise de asma. Mamãe não dormia. Levava Teteto ao terraço, dava chás, tudo. Por vezes levava ao médico.

gralha-canca

Certa vez ensinaram pra mamãe que o pássaro “Cancão”, um “Anu-mará” puxaria a asma de Teteto e morreria com ela, livrando-o daquele mal. Conseguimos o pássaro e Teteto deixava o resto de sua comida pro pássaro e ainda cuspia na comida que o pobre passarinho comeria. O passarinho, além de belíssimo, cantava que era uma beleza. Eu sofria com o destino traçado para o Cancão, mas compreendia que sua morte seria por uma causa nobre.

Ele se sacrificaria pelo nosso irmão. Um dia o Cancão não cantou no amanhecer. Estava morto. Ficamos todos alegres, Teteto não teria mais asma. Realmente se passaram alguns dias sem aquelas crises, mas foi o
tempo esfriar e voltar com mais força. O sacrificio do pássaro a que todos nós nos apegamos foi em vão.

radio

No nosso quarto havia um rádio, enorme, que levava quatro “elementos”, que depois passaram a denominar de “pilhas”. O rádio era tão importante que os “elementos” faziam parte da lista de feira. O rádio nos servia para ouvir as notícias, o futebol e forró. Pra gente, os homens da casa, futebol e música de forró passaram a ser tão importantes como o cuscuz com leite.

Meus irmãos viraram colecionadores de revistas “Placar”. Guardam até hoje aquelas relíquias. Sabíamos tudo sobre todos os campeonatos estaduais de futebol do Brasil e sobre todos os clubes do futebol brasileiro.
O Treze Futebol Clube virou nossa religião. Pelo Treze eu rezava, fazia promessas e chorava. Naquele período era quem me fazia chorar. Algumas vezes de alegria e muitas de decepção.

Além disso, ouvíamos todos os programas de forró. Quando nos levantávamos, antes do sol, já havia alguma rádio tocando forró e o nosso rádio já estava a todo volume. Damião assobiava todos aqueles sons maravilhosos e “decorava” todas as letras. Elino Julião, Zé Calixto, Messias Holanda, Zé Catraca, Marinês, Abdias, Jackson do Pandeiro, Gordurinha, Ivon Cury, Seu Vává (Genival Lacerda), Os Três do Nordeste e muitos outros. Nossa preferência era Luiz Gonzaga e Trio Nordestino.

Guardávamos uma identidade com Gonzaga, que eu achava que ele era da família. Éramos íntimos dele. ‘Acauã’ e ‘Triste Partida’ eram quase proibidas por serem muito tristes e serem crônicas tão reais de nossas vidas ou de muitos que dela faziam parte. Assum Preto nos fazia chorar com a perversidade humana. Certa vez, Tio Tõe Trovão trouxe para nossa avó, que morava conosco, um presente.

vitrola

O disco ‘Quadrilhas e Marchinhas’ de Luiz Gonzaga. Aquilo virou um tormento, pois nossa avó Malú não conseguia ouvir as músicas que caía no choro. Quando tentávamos tirar o disco da vitrola para ela não sofrer, ela nos repreendia e ditava: deixa a música tocar. Não ver que estou ouvindo. Outro disco que possuíamos como um diamante era ‘Os meus sucessos com Humberto Teixeira’. ‘Paraíba’, ‘Qui nem jiló’, ‘Juazeiro’, ‘Baião’, ‘Lorota boa’ e outras pérolas daquela coletânea virou audição obrigatória e prazerosa em nossa vitrola automática que tocava seis discos de uma vez.

Além de ouvir, passamos a ir atrás de forró pra dançar. Onde tivesse um batuque de zabumba ou uma sanfona, lá estávamos. Os forrós na casa de Dona Maria de seu Raimundo era “Forró de radiola” e só tinha um disco, o Quadrilhas e Marchinhas. Adorava ‘Fim de Festa’, que só muito mais tarde descobri ser de Zito Borborema.

agua-preta2

Por aqueles tempos ganhei uma égua de papai. Totalmente preta, sem qualquer ponto ou mancha de outra cor. Batizei-a lógicamente de Quixaba. Eu e Quixaba passamos a andar léguas atrás de forrós. Quando voltávamos, quase sempre Quixaba me trazia deitado em sua sela. Parecia feliz naquele retorno.

curral2

curral5

Chegávamos antes do sol ao curral, onde a deixava para o descanso e a alimentação merecida. Quando podia ou conseguia, tomava um copo de leite igual aos da infância, acariciava uma daquelas vacas e cantarolava ainda dançando:

“Menina nova quando entra num torrado
fica de sangue agitado
não se importa com ninguém……
…..Nesse vai e vem, nesse vai e vem, nesse vai e vem.
É um ‘xamego’ da moléstia nesse vai e vem…..”

Viva o Trio Nordestino.

Viva o forró.

Viva o Forró em Vinil.

Ary Lobo – Seus maiores sucessos vol. 2

ary-lobo-1971-seus-maiores-sucessos-vol2-capa

Colaboração do José de Sousa, natural de Guarabira – PB. Dessa vez ele nos enviou essa bela coletânea do Ary Lobo. Pedi a ele que falasse sobre esse disco ou sobre o Ary Lobo, e ele enviou o seguinte comentário:

ary-lobo-1971-seus-maiores-sucessos-vol2-selo-aary-lobo-1971-seus-maiores-sucessos-vol2-selo-b

“Aí está um dos grandes discos do gênero, ‘Ary Lobo – Seus maiores sucessos vol. 2’, gravado pela sua primeira gravadora RCA Victor, onde foram gravados os discos de maior sucesso de sua carreira. Por se tratar uma coletânea de sucessos, fica até difícil destacar essa ou aquela música, já que todas são destaques. Quem duvida, é só escutar e conferir, e logo verá que concorda comigo.

ary-lobo-1971-seus-maiores-sucessos-vol2-verso

Para quem não sabe, o nome verdadeiro de Ary Lobo é: {segundo a história} ‘Gabriel Eusébio dos Santos Lobo’, nascido em Belém do Pará em 14 de agosto de 1930. Antes de se tornar um dos maiores cantores da música regional nordestina, exerceu diversas profissões, ‘pintor e mecânico’ foram algumas delas. Depois que ingressou no meio artístico, tornou-se o senhor absoluto, do rojão, côco, batuque, além de muito forró, baião e samba; que através dessas obras permanecerá por muito tempo na nossa lembrança; E na dos que ainda estão chegando. Bendito seja: Ary Lobo.”

Ary Lobo – Seus maiores sucessos vol. 2
1971 – RCA

01. Evolução (J. Cavalcanti – Lino Reis – Aguiar Filho) Côco
02. Paulo Afonso (Gordurinha) Côco
03. Belém de Maria (Barbosa da Silva – B.Vieira) Rojão
04. Quem encosta em Deus não cai (João do vale – José Ferreira – Ary Monteiro) Toada
05. Fruta gostosa (Miguel Lima – Paulo Gesta) Côco
06. Cadê Mãe (J. Cavalcanti – Ary Lobo) Côco – Baião
07. Cheiro de gasolina (S. Ramos – Barros de Oliveira) Baião
08. Produto nacional (Osmar Navarro – Oldemar Magalhães) Baião
09. Riviolândia (Júlio ricardo – Antonio Bezerra) Rojão
10. Pedido a Padre Cícero (Gordurinha) Côco
11. Garoto do amendoim (B. Lobo – Manoel Moraes) Rojão
12. Forró em Calcaia (J Lima – J. Bruno Magalhães – Zequimar) Côco
13. Quem dá aos pobres empresta a Deus (Buco do Pandeiro – Panta) Baião
14. Madame Paraíba (Dilson Doria – Ary Rangel) Côco

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

CD – Negrinho dos oito baixos – Homenagem ao Negrão do oito baixos

homenagem-ao-negrao-dos-8-baixos-frente

Colaboração extra do Everaldo Santana, dessa vez um CD de um tocador de oito baixos que ainda não tínhamos registrado aqui no forró em vinil, o Negrinho dos oito baixos. Perguntei ao Everaldo se ele sabia alguma coisa sobre o Negrinho, ele disse: “Não sei se é parente do conhecido Negrão dos oito baixos, mas a semelhança física é enorme e ele toca muito bem também.”

homenagem-ao-negrao-dos-8-baixos-encarte-03

Segundo o Thiago Silva, de Recife – PE, ele tocava muito com o sanfoneiro Renato Leite, participava também da caravana e do programa do Renato. Ele também acha que o Negrinho é da família do Zetinho dos 8 baixos.

homenagem-ao-negrao-dos-8-baixos-verso

Destaque para a participação de Toni Maceió, filho do Pajeú do Sertão, animando e marcando a quadrilha, que é a faixa “Rodeando o salão” de André Araújo e Arcenio Araújo, e para a participação de Luizinho do forró no vocal de 04 músicas “Chuva miudinha” de L. Barbosa e André Araújo, “Leva eu pra vadiar” de Elias Alves e Edison Lins, “Vou balançar com você” e “Uma sanfona de botão” ambas de autoria do próprio Luizinho do forró.

Negrinho dos oito baixos – Homenagem ao Negrão do oito baixos
Live Music

01 Forró em Geremoabo (André Araújo)
02 Levanta poeira (André Araújo)
03 Aprenda tocando (Zetinho)
04 Só na miura (Zetinho)
05 Rodeando o salão (André Araújo – Arcenio Araújo)
06 Forró em Mimoso (Zetinho)
07 Comendo quente (André Araújo)
08 Roseira no sertão (Zetinho)
09 Festa em Entre Rios (Zetinho)
10 Chuva miudinha (L. Barbosa – André Araújo)
11 Balançando a concertina (Zetinho)
12 Leva eu pra vadiar (Elias Alves – Edison Lins)
13 Vou balançar com você (Luizinho do Forró)
14 Uma sanfona de botão (Luizinho do Forró)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Jackson do Pandeiro – Jackson do Pandeiro

capa-frente

Colaboração do DJ Dinei, de São Paulo – SP, mais um importante registro da voz do rei do ritmo, Jackson do Pandeiro.

Seu primeiro álbum em Long Play, num disco com 12 faixas, algumas foram lançadas em 78rpm, porém, ao contrário das coletâneas, foram lançadas concomitantemente ou posteriormente ao álbum. Lançado em 1959 é o disco que imortalizou sua voz em um de seus maiores sucessos, senão o maior, “Chiclete com banana” de Gordurinha e José Gomes.

capa-verso

José Gomes, para quem não sabe, é o próprio Jackson. Curiosamente a música é registrada na maior parte das suas re-gravações, como sendo de autoria de Gordurinha e Almira Castilho. O motivo dessa discrepância é que na época, as composições só podiam ser assinadas por dois autores, e teóricamente a música é de autoria dos três.

Destaque para o “Forró na gafieira” de Rosil Cavalcanti e para “Cantiga do sapo” de Jackson do Pandeiro e Buco do Pandeiro.

Jackson do Pandeiro – Jackson do Pandeiro
1959 – Columbia

#01. Forró na gafieira (Rosil Cavalcanti)
#02. Acorrentado (Jackson do Pandeiro – José Bezerra)
#03. Casaca de couro (Ruy de Moraes e Silva)
#04. Leva teu gereré (Jackson do Pandeiro – José Bezerra)
#05. Vou buscar Maria (Jackson do Pandeiro – Severino Ramos)
#06. Baião do bambolê (Antonio Barros Silva – Almira Castilho)
#07. Cantiga do sapo (Jackson do Pandeiro – Buco do Pandeiro)
#08. Lamento cego (Jackson do Pandeiro – NIvaldo da silva Lima)
#09. Forró do surubim (José Batista – Antonio Barros Silva)
#10. Chiclete com banana (Gordurinha – José Gomes)
#11. Penerou gavião (Jackson do Pandeiro – Odilon Vargas)
#12. Quadro negro (Rosil Cavalcanti – Jackson do Pandeiro)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

CD – Flávio Leandro – Xô aperreio

flavio-leandro-xa-arrepeio-capa

Colaboração do Zé Geraldo, natural de Taperoá – PB, esse é o sétimo CD lançado pelo cantor e compositor Flávio Leandro, ou Francisco Flávio Leandro Furtado, nascido em Bodocó – PE. Participação especial de Genival Lacerda, na faixa 04 “Que nem pedra de amolar” de autoria de Flávio Leandro.

flavio-leandro-xa-arrepeio-verso

“…mais recentemente, em 2008, lança o CD “XÔ APERREIO!”.Todos regados ao puro som do autêntico e legitimo forró nordestino tão defendido e divulgado pelo eterno Luiz Gonzaga, Rei do Baião. Hoje tem a satisfação de emplacar várias músicas nas mais diversas vozes do País como atestam Elba Ramalho, Flávio José, Santanna, Jorge de Altinho, Geraldinho Lins, Leninho, Sinfonéia Desvairada, Waldonys, Joquinha Gonzaga, Nádia Maia, Cristina Amaral, Adelmário Coelho, Quenga de Côco, Trio Virgulino, Limão com Mel, Cheiro de Menina, Zezo, etc.”(Trecho extraido do sítio oficial do artista)

Flávio Leandro – Xô aperreio
2008

01 Du vi de ó dó (Elmo Oliveira – Flávio Leandro)
02 Parte da minha vida (Petrúcio Amorim)
03 Navalha (Bosco Carvalho – Flávio Leandro)
04 Que nem pedra de amolar (Flávio Leandro)
05 Rei da garapa (Flávio Leandro)
06 Encontro (Flávio Leandro – Donizete Batista)
07 Saudade afiada (Flávio Leandro – Del Feliz)
08 Festa do amor (Flávio Leandro)
09 No estalo do dedo (Flávio Leandro)
10 A cor do tempo (Flávio Leandro)
11 Meu pai (Flávio Leandro)
12 Fornalha global (Flávio Leandro)
13 Xô aperreio (Flávio Leandro)
14 Sem não nem talvez (Flávio Leandro)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Fila para estréia do Programa Chapéu de couro

fila

fila2

fila3

Fila para estréia do Programa Chapéu de couro, em 1964.

*Acervo Jorge Paulo

Abdias – Botão Variado

abdias_botao-variado_frente

Colaboração do Lourenço Molla, de João Pessoa – PB.

abdias_botao-variado_salo-aabdias_botao-variado_salo-b

“Estava sendo gravado este LP nos estúdios da CBS, quando eu cheguei. Exatamente no momento em que Abdias dedilhava a música ‘Botão Variado’ que deu título a esse disco. Abdias estava cercado de ‘cobras’ no acompanhamento, como José Menezes, Dominguinhos e Dino. A música enchia todo o ambiente e fazia com que a gente pensasse estar assistindo, pela primeira vez, a um concerto em oito baixos, tal o virtuosismo do artista.” (Trecho extraído da contra capa)

abdias_botao-variado_verso

Direção artística de Abdias com participações especiais de Elino Julião, Zé Matias e Sussuanil. Dentre as instrumentais, destaque para a faixa título “Botão Variado”, e dentre as cantadas, destaque para “Vai morrer de roedeira” de Cecéu.

Abdias – Botão Variado
1975 – CBS

#01. Botão variado (Bau – Ivan Bulhões)
#02. Chega pra cá, pra eu Joana (Buco do Pandeiro – Bastinho Calixto)
#03. Chega gemer (Manoel Serafim – Severo)
#04. Forró em Petrolina (Dominguinhos – Anastácia)
#05. Frêvo em Boqueirão (Deomedes)
#06. Vai morrer de roedeira (Cecéu)
#07. Barbeiro da cidade (Aluísio – Toninha)
#08. Forró metido a besta (Dominguinhos – Anastácia)
#09. Hoje a noite é nossa (Antonio Pires – Reivan)
#10. Forró fofinho (Manoel Serafim – Abdias)
#11. Tocador desenfadado (Jacinto Limeira – Abdias)
#12. Forró mengão (Severo – Manoel Serafim)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

1 2 3 4 5 7

Quem somos

Somos uma rede filantrópica colaborativa de colecionadores e músicos.

Uma comunidade que se conheceu e se comunica virtualmente, unidos em torno de uma paixão comum, o forró tradicional.

Quer saber mais da nossa história?
Continue navegando neste portal.

Um grade abraço,
DJ Ivan

Facebook