Hélcio Brenha – e o forró do chapéu virado – vol. 2

Helcio capa p

Colaboração do Lourenço Molla, de João Pessoa – PB

Selo A pSelo B p

Mais um disco interessantíssimo do Hélcio Brenha e sua fantástica banda.

Verso p

Acredito que a foto da contracapa está espelhada, fato incomum para os discos da época.

Hélcio Brenha – e o forró do chapéu virado – vol. 2
1980 – Top Tape

01. Cavalo domado (Hélcio Brenha – Valdinha Barbosa)
02. Meu chorinho (Netinho)
03. Bebo pinga (Hélcio Brenha – Jorginho do Cacique)
04. Sonoroso (K-Ximbinho – Del Loro)
05. Dia de comício (Paulo Moura)
06. Descarrilhando (Hélcio Brenha)
07. Forró do Martirico (Hélcio Brenha – Ênio Brenha)
08. Saxofone porque choras (Ratinho)
09. Ciranda é assim (Artur de Moura)
10. Ternura (K-Ximbinho)
11. Chulé de jacaré (Hélcio Brenha – Ênio Brenha)
12. Adriana (Lacy Martins)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Nazaré Pereira – Amazônia

capa

Colaboração do Arlindo

seloaselob

“Amazônia” foi gravado na França, em 1979, através do selo Cezame.

verso

Foi lançado no Brasil no ano seguinte pela Top Tape, o disco traz alguns de seus maiores sucessos, como “Xapurí do Amazonas” e “Flexa de fogo”, de sua autoria, além de outras composições famosas como “Riacho do navio”, de Luiz Gonzaga e Zé Dantas, “Sodade meu bem, sodade”, de Zé do Norte e A. do Nascimento, “O Baião em Paris” e “Kalú”, de Humberto Teixeira, e “Boi bumbá” de Waldemar Henrique.

Nazaré Pereira – Amazônia
1980 – Top Tape

01. Riacho do Navio (Luiz Gonzaga / Zé Dantas)
02. Bahia Véia Bahia (Coaty de Oliveira)
03. Xapuri do Amazonas (Nazaré Pereira)
04. Sodade, Meu Bem, Sodade (Zé do Norte)
05. Flecha de Fogo (Nazaré Pereira / Coaty de Oliveira)
06. O Baião Em Paris (Humberto Teixeira)
07. O Que Vier Eu Traço (Alvaiade / Zé Maria)
08. Forró No Escuro (Luiz Gonzaga)
09. Nuvens Que Passam (Julinho do Acordeom)
10. Kalu (Humberto Teixeira)
11. Boi Bumbá (Waldemar Henrique)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Nazaré Pereira – Nazaré

capa

Colaboração do Arlindo

seloaselob

Filha de um seringueiro e uma lavadeira, viveu em Xapuri (mesma cidade do seringueiro Chico Mendes) até os sete anos, quando mudou-se com a família para Belém do Pará, fixando-se no bairro de Icoaraci. Antes de optar pela carreira artística, se formou como professora primária, indo estudar teatro posteriormente no Rio de Janeiro.

Começou a aparecer como atriz, tendo atuado em algumas novelas por volta de 1969, ao lado de gente como Leila Diniz. Participou como cantora do programa “A Grande Chance”, de Flávio Cavalcanti, na TV Tupi, sendo premiada com uma viagem para Lisboa, de onde seguiu para a cidade de Nancy, na França, país onde se fixou.

Nesta cidade estudou teatro com o futuro ministro da Cultura do governo de François Mitterrand, Jack Lang, e se graduou no Centre Universitaire Internacional de Formation et des Recherches Dramatiques de Nancy. Além de atriz e cantora, também atuou como dançarina na França, integrando os grupos Les Étoiles e Os Maracatus, além de trabalhar com músicos como a dupla Teca Calazans e Ricardo Villas ou Tânia Maria.

verso

O primeiro disco, “Nazaré”, foi lançado na França pela gravadora Cezame/RCA em 1978 e no Brasil no ano seguinte pela Top Tape, chegando sua gravação de “O cheiro de Carolina” (Zé Gonzaga / Amorim Roxo) ao primeiro lugar nas paradas de sucesso da Bélgica e Suíça, além de trazer a regravação dos sucessos “Só quero um xodó” (Dominguinhos / Anastácia) e “Pisa na fulô” (João do Vale / E. Pires / Silveira Júnior).

Nazaré Pereira – Nazaré
1979 – Top Tape

01. O Chero da Carolina (Amorim Roxo / Zé Gonzaga)
02. Boi Do Amazonas (Tradicional)
03. Eu Só Quero Um Xodó (Dominguinhos / Anastácia)
04. Matutinho (Celinho Barros)
05. Anda Luzia (João de Barro)
06. Pisa Na Fulô (João do Vale / Ernesto Pires / Silveira Júnior)
07. Bambo de Bambu (Tradicional / Adpt. Nazaré Pereira)
08. Desafio Nordestino (Celinho Barros)
09. Yara (Nazaré Pereira / J. A. Kzam)
10. Loana (Fernando Falcão)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Os 3 do nordeste – Osso duro de roer

1986-os-3-do-nordeste-osso-duro-de-roer-capa

Colaboração do PC do acordeon, mais um disco muito interessante dos 3 do Nordeste na época em que o Mestre Zinho cantava ao lado de Parafuso e Zé Pacheco.

1986-os-3-do-nordeste-osso-duro-de-roer-verso

Arranjos de Severo, destaque para a faixa título “Osso duro de roer” de Zinho, Aloísio Silva e Parafuso, para “Forró classe A” de Agripino Aroeira, Zinho e Zé Pacheco e para “Chamego no escuro” de Zé Pacheco e Parafuso.

Os 3 do nordeste – Osso duro de roer
1986 – Top tape

01. Osso duro de roer (Zinho / Aloísio Silva / Parafuso)
02. Melô do zabumba (Zinho / Parafuso)
03. Boca louca (Zinho / Agripino Aroeira)
04. Dúvida (Agripino Aroeira)
05. Forró classe A (Agripino Aroeira / Zinho / Zé Pacheco)
06. Chora sereno (Agripino Aroeira / Zinho)
07. Lima de cheiro (Agripino Aroeira)
08. Chamego no escuro (Zé Pacheco / Parafuso)
09. Vadiar no teu segredo (Cecéu)
10. Bicho homem (Zinho / Zé Pacheco)
11. Princesa do Ipujuca (Agripino Aroeira / Zinho)
12. Amor gozado (Antônio Barros)
13. O segredo do forró (Juvenal Lopes / Nininha)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

post image

Julinho – Forró do Julinho

Essa é uma interessante colaboração do Rogérinho de São Paulo – SP. O sanfoneiro Julinho, teve seu verdadeiro nome escrito e re-escrito diversas vezes em função das composições que fez em parceria com João do Vale.

Embora tenhamos localizado um outro forrozeiro homônimo, creio que esse seja o único a tocar essa sanfona de botões nas duas mãos, o que torna o seu manuseio um pouco mais difícil, não é mesmo?

Julinho é na verdade João Aguiar Sampaio, nascido em Itapagé, norte do estado do Ceará, filho de Ciso Bernardes, tocador de oito baixos. Produção Luiz Bandeira, entre músicas soladas e cantadas, belos corais, belíssimos arranjos e uma cadência muito boa para se dançar.

Destaque para a música mais conhecida e que abre o disco “Mutirão de Pedreira” de Julinho e João do Vale.

Julinho – forró do Julinho
1980 – Top Tape

01 Mutirão de Pedreira (Julinho – João do Vale)
02 Forró do furtuoso (Luiz Vieira – João do Vale)
03 Forró na casa do Pedro (Pedrinho Vieira – Naldinho)
04 Forró em Brejo grande (Pedrinho Vieira – Naldinho)
05 Sabidin (Luiz Bandeira)
06 Venturoso (Julinho)
07 Dor de amor (Julinho – João do Vale)
08 Sou cirandeiro (Luiz Bandeira – Julinho)
09 Muçambê (Julinho – João do Vale)
10 Baiãzinho bom (Julinho – Evaldo Gouveia)
11 Baião macumba (Julinho – Evaldo Gouveia)
12 Por conta do sanfoneiro (Julinho – Raimundo Evangelista)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Os 3 do Nordeste – Festa de 15 anos

os-3-frente

Ainda com Zinho à frente dos 3 nordeste, foi gravado esse LP comemorativo dos 15 anos de sucesso do trio. Colhi seus autógrafos em oportunidades diferentes.

os-3-verso

Gravado no Rio de Janeiro, com produção de Bastinho Calixto, arranjos de Maestro Chiquinho do acordeon e sanfonas dele (Chiquinho) e Genário. Percussões e coral dos 3 com a participação também de Hermelinda.

Destaque para “Forró melado” de Cecéu e para “Tá chovendo mulher” de Manoel Vidal e Buco do pandeiro.

Os 3 do Nordeste – Festa de 15 anos
1987 – Top Tape

* 01. Fogo de mulher (Zinho – Agripino Aroeira)
*02. Pout pourri – É proibido cochilar (Antonio Barros) / Forró pingado (Cecéu) / Da boca pra fora (Cecéu) / Amor com café (Cecéu)
* 03. Os três mosqueteiros do forró (Pinto do Acordeon)
* 04. Fantasia (Agripino Aroeira – Zinho)
* 05. Reflexo de ilusão (Carlinhos Mendes – Regio Cabochar)
* 06. Forró do bom só, só (Zinho – Aluízo J. Silva – Zé Pacheco)
* 07. Forró Melado (Ceceu)
* 08. Deixa eu me apaixonar (Pinto do Acordeon)
* 09. Xodó (Zinho – Parafuso)
* 10. Tudo isso combina com você (Agripino Aroeira)
* 11. Tá chovendo mulher (Manoel Vidal – Buço do Pandeiro)
* 12. Nó em pingo dágua (Zinho – Agripino Aroeira)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Joquinha Gonzaga – Forró, cheiro e chamego

joquinha-frente

Recebemos esse disco de um dos freqüentadores do blog, além do disco, nosso colaborador mandou essas palavras sobre a postagem de hoje:

“Um excelente álbum do sobrinho de Luiz Gonzaga, Joquinha Gonzaga, que hoje é o responsável por tudo que o Rei do Baião deixou em EXU (PE). A música título é dele em parceria com Nando Cordel.”

‘JOÃO JANUÁRIO MACIEL – Nascido em 01/04/52, Rio de Janeiro, filho de Raimunda Januário Muniz (segunda irmã de Luiz Gonzaga) e João Francisco Maciel. No final da década de 40 o “Rei do Baião, Luiz Gonzaga, formou o primeiro núcleo Nordestino no Sul do país trazendo sua família composta pelo pai Januário, sua mãe Santana, suas irmãs Muniz, Geni, Socorro, Chiquinha Gonzaga e seus irmãos Aluízio, Zé Gonzaga e Severino Januário. Instalaram-se em um sítio em Santa Cruz da Serra, em Duque de Caxias mais conhecido como Sítio dos Gonzagas, no Rio de Janeiro, onde eram realizadas grandes festas tais como casamentos, batizados, aniversários, novenas, etc. Sempre com muitos convidados e músicas e comidas típicas nordestinas onde marcavam presença de grandes artistas famosos como: Marinês, Abdias, Trio Nordestino, Domiguinhos e outros – e foi neste meio que cresceu e nasceu JOQUINHA GONZAGA, nome artístico dado por seu tio Gonzagão.’ (fonte)

joquinha-verso

Aos 14 anos ganha sua primeira sanfona do tio, um pé-de-bode, em seguida ganha um fole de 80 baixos para logo chegar ao de 120 baixos.
Ao sair do quartel passa a acompanhar o tio nos shows pelo nordeste; em 1985 Gonzagão grava uma composição sua com João Silva: “Amei a toa”; em 1986 ele resolve sair da banda do seu ilustre tio para tentar sua carreira solo; Gonzagão lhe dá todo o cachet do derradeiro show onde se apresentaram juntos e com esse dinheiro, Joquinha une-se a João Silva e grava esse álbum, de forma independente.

Em 1988 participou de uma das faixas do disco do tio, regravando “Dá licença pra mais um”.

Esse álbum não tinha a capa, como felizmente tínhamos uma cópia, passamos novamente.

A participação de todos é muito importante para nós, mandando discos, opinando, comentando ou levantando informações sobre nossos queridos artistas do forró pé-de-serra, que com o passar do tempo vão se perdendo cada vez mais rápido.

Joquinha Gonzaga – Forró, cheiro e chamego
1987 – Top Tape

01. Forró, cheiro e chamego (Joquinha Gonzaga – Nando Cordel)
02. Fruta nordestina (Joquinha Gonzaga – Bodart)
03. Aqui tem alegria (João Silva – Zé Mocó)
04. Depois a gente vê (Joquinha Gonzaga – J. Freitas)
05. Com xodó é melhor (João Silva – Pedro Maranguape)
06. Cuidado, tocador (João Silva – Zé Mocó – Manoel José)
07. Dá licença pra mais um (João Silva – Raimundo Evangelista)
08. Amor tostadim (João Silva – Iranilson)
09. Pingo de gente (Joquinha Gonzaga – João Silva – Raimundo Evangelista)
10. Pout-pourri de marchinhas (solo)
– Faz força, Zé (Luiz Gonzaga – Rosil Cavalcanti)
– Casaca de couro (Rui de Morais e Silva)
– Velhos tempos (Joquinha Gonzaga – Zé Mocó)
– Lorota boa (Humberto Teixeira – Luiz Gonzaga)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Quem somos

Somos uma rede filantrópica colaborativa de colecionadores e músicos.

Uma comunidade que se conheceu e se comunica virtualmente, unidos em torno de uma paixão comum, o forró tradicional.

Quer saber mais da nossa história?
Continue navegando neste portal.

Um grade abraço,
DJ Ivan

Facebook