Os Trapalhões – O forró dos trapalhões

A formação mais conhecida de ‘Os Trapalhões’ não é a que ficou imortalizada no guiness como o grupo humorístico que ficou mais tempo com um programa humorístico no ar.

A primeira formação estreou em 1966 na TV Excelsior de São Paulo com o nome ‘Os Adoráveis Trapalhões’. Reunia na sua fórmula quatro tipos: o galã Wanderley Cardoso, o diplomata Ivon Cury, o estourado Ted Boy Marino e o palhaço Renato Aragão.

Posteriormente em 1975, consolidou-se a formação mais famosa: o cearense Didi Mocó, o carioca Manfried Sant’anna, o Dedé, o sambista participante de ‘Os Originais do Samba’ Antônio Carlos Bernardes Gomes, o Mussum, também carioca e o mineiro Mauro Faccio Gonçalves, o Zacarias.

Nesse disco, em 1981, com sanfona e produção de Sivuca, Didi, após os primeiros 15 anos de sucesso na telinha, realiza o sonho de gravar um disco do ritmo que mais o agradava com interpretação dos trapalhões e composições de artistas já consagrados.

Detalhe interessante é o fato do Mussum não participar da gravação, talvez por seu contrato com a RCA junto com o grupo “Os originais do samba”.

Destaque para “A velha debaixo da cama” música de Jonas de Andrade do Trio Nortista, “Seca e chuva” se Sivuca e Glorinha Gadelha com vocais do próprio Sivuca e “Cajuína” de Caetano Veloso.

Os Trapalhões – O forró dos trapalhões
1981 – Ariola

01. A velha debaixo da Cama (Jonas de Andrade)
02. Belorizontem (Vital Farias)
03. As pessoas e a espingarda (Manézinho Araújo – Kirino)
04. Rio de São Sebastião (Renato Aragão)
05. Seca e chuva (Sivuca – Glorinha Gadelha)
06. Terral (Ednardo)
07. Cajuína (Caetano Veloso)
08. O casamento da filha do faceta (Domínio Público Adapt: Renato Aragão)

Se quiser baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

post image

Jacinto Silva – Gírias do norte

Jacinto Silva começou a sua carreira desde cedo, quando ainda era garoto, com apenas 8 anos em 1942. Fazia apresentações acompanhado por um conjunto regional em feiras e festas da cidade alagoana de Palmeiras dos Indios.

Jacinto Silva foi construindo, através de sua peculiar forma de cantar e compor, uma vertente do côco que se transformou em seu legado pessoal para a música brasileira, o Côco Sincopado. (esse texto foi retirado do texto: Jacinto Silva – O desmantelo que constroi, de Gilson Oliveira)

Nascido em 1933 em Palmeira dos índios-AL, gravou de 1962 a 2000, desse período conseguimos coletar cerca de 20 obras.

Nesse disco ouvimos uma canção na qual se caracteriza claramente o estilo sincopado de se cantar o côco é a que dá seu nome ao álbum.

Jacinto Silva – Gírias do norte
Região – 1981

01. Caderneta de poupança (João Caetano – Adolfo D´modinha)
02. Nordeste sofredor (Ramos Paiva – Genésio Guedes)
03. A profissão de cada um (Juarez Santiago – Alondo D´modinha)
04. Vou a Palmares (Juarez Santiago)
05. Não sou otário (Zé do brejo – Jacinto Silva)
06. São João 2001 (Roberto Peixoto – Djalma da Hi-fi)
07. Gírias do norte (Jacinto Silva – Onildo Almeida)
08. Filosofia no forró (Manuel Alves – Tiago Duarte)
09. Terra do folclore (Ze Lagoa – Jacinto Silva)
10. Sabiá da mata (Ivan Bulhões – Jacinto Silva)
11. Profecia do Padre Cícero (Jacinto Silva – Onildo Almeida)
12. A saia vira balão (João Caetano – Bibio do Acordeon)

Para baixar esse disco, clique aqui

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Trio Nordestino – Ô bicho bom!

O Trio Nordestino, “que passou a existir a partir de 1957” é, dentre todos, o trio veterano em atividade musical, no País. O título, no começo, uma patente sem registro oficial, foi disputado pelos trios baiano (Lindú, Cobrinha e Coroné) e paulista (Xavier, Heleno e Toninho), mas quem o criou foi Luiz Gonzaga e a sua mulher, Helena.

O Trio Nordestino original era formado por Zito Borborema, paraibano; Miudinho, cearense; e Dominguinhos, pernambucano.

Da segunda formação do Trio Nordestino participaram Lindolfo Barbosa, o Lindú; Edvaldo dos Santos, o Coroné; e Cobrinha. Com essa formação, e sob as bênçãos de Gonzaga, o trio passaria a se fazer importante no cenário da música popular brasileira.

Tocavam nos forrós de Salvador até que através de Gordurinha, foram introduzidos, num de um programa de rádio, ao Rio de Janeiro e ao Brasil. Começava ali o Trio Nordestino.

Conhecer a história deste grupo é tão importante quanto conhecer a história de Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro e Dominguinhos. Suas músicas estão no repertório de todos aqueles que hoje fazem um bom forró. Eles são os intérpretes da famosa Procurando tu, que fez o trio vender um milhão de cópias nos anos 70.
(Trechos extraídos de um texto do Assis Ângelo)

Trio Nordestino – Ô bicho bom!
Copacabana – 1981

01. Amor de doido (Pedro Bandeira – Lindolfo Barbosa)
02. O sol com a mão (Jacinto Limeira – Evaldo Lima)
03. O bicho bom (Juarez Santiago – Hamilton de Oliveira)
04. O neném (Cecéu)
05. O sucesso da Zefinha (Anastácia)
06. Todos querem bronquear (Chico Xavier)
07. Meu pitiguari (Agripino Aroeira – Rosilda Santos)
08. Quebra Cabeça (Severino ramos – Coronel Rodrigues)
09. Fazendo amor (Onildo Almeida)
10. Pagode Quente (Jacinto Limeira – Lindolfo Barbosa)
11. Minha doença é você (Cecéu – Mariazinha)
12. Marileide minha (Chico Xavier – Lindofo Barbosa)

Para baixar esse disco, clique aqui

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

post image

João do Vale – João do Vale

João Batista do Vale nasceu em Pedreiras, no interior do Maranhão em 11 de Outubro de 1934. Aos 13 anos foi para São Luis – MA, onde participou de um grupo de bumba-meu-boi já como compositor de versos. Aos 15 anos foi para o sul do país, parando em diversas cidades e arranjando empregos como garimpeiro, pedreiro, ajudante de caminhão.

Em 1950 chegou ao Rio de Janeiro e empregou-se numa obra de construção civil no bairro de Ipanema. Como já tinha algumas composições, em sua maioria baiões, começou a frequentar as rádios para mostrar seu trabalho.

A partir de então começou a ter suas canções gravadas por grandes ídolos da época, que imortalizaram sua obra, mesmo assim, João do Vale não tinha muito crédito com as gravadoras, tanto que nesse tempo gravou seu primeiro disco, O poeta do povo, em 1965 e só quando Chico Buarque reuniu-se com Fagner e com o produtor Fernando Faro em 1981 para que o compositor gravasse o segundo disco da sua carreira, com o primeiro time da MPB como convidado.

Quem quiser se aprofundar mais em sua vida e sua obra, vale a pena dar uma olhada na biografia de João do Vale: Pisa na Fulô Mas Não Maltrata o Carcará, (Lumiar Editora), escrito pelo jornalista Márcio Paschoal, misturando acontecimentos políticos, econômicos e sociais à fascinante trajetória de vida do artista.

João do Vale, João do Vale
CBS – 1981

01. Na asa do vento (João do Vale – Luiz Vieira)
02. Pé do lageiro (João do Vale – José Cândido)
03. Estrela miúda (Luiz Vieira – João do Vale)
04. Bom vaqueiro (João do Vale – Luiz Guimarães)
05. O canto da ema (João do Vale – Alventino Cavalcante – Ayres Vianna)
06. Carcará (João do Vale – José Candido)
07. Morceguinho (o rei da Natureza) (João do Vale)
08. Morena do grotão (João do Vale – José Cândido)
09. Uricuri (segredo do sertanejo)
10. Fogo no Paraná (João do Vale – Helena Gonzaga)
11. Pipira (João do Vale – José Batista)
12. Pisa na fulô (João do Vale – Ernesto Pires – Silveira Jr.)
13. Minha história (Raimundo Evangelista – João do Vale)

Para fazer o download desse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

1 8 9 10

Quem somos

Somos uma rede filantrópica colaborativa de colecionadores e músicos.

Uma comunidade que se conheceu e se comunica virtualmente, unidos em torno de uma paixão comum, o forró tradicional.

Quer saber mais da nossa história?
Continue navegando neste portal.

Um grade abraço,
DJ Ivan

Facebook