Duda da Passira – Bom pra forrozar

Colaboração do Lourenço Molla, de João Pessoa – PB

Esse é um dos poucos registros desse grande instrumentista.

Participação de Novinho da Paraíba na faixa “Bom demais” de Edmilson Silva e Duda da Passira; e de Marinalva na faixa “Guardando um beijo” de Cecéu.

Duda da Passira – Bom pra forrozar
1989 – Phonodisc

01. Gamado em você (José Ribeiro – Arruda)
02. Bom pra forrozar (Duda da Passira)
03. Não bringue com meu amor (Vanildo de Pombos)
04. Bom demais (Edmilson Silva – Duda da Passira)
05. Onde anda meu amor (Vanildo de Pombos)
06. Pra rever minha terra (Honório Alves)
07. Miragem (Vanildo de Pombos)
08. Guardando um beijo (Cecéu)
09. Cheirando a flor (Vanildo de Pombos)
10. Feliz eu vou (Petrúcio Amorim)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

2 comments

  • Abílio Neto

    Eu acho que o falecido Vanildo de Pombos cantou neste disco embora não tenha a sua participação registrada.

    Este é um disco de tendências. O forró alambadado e com o uso de instrumentos metálicos já era comum com Novinho da Paraíba e Jorge de Altinho. Logo em seguida, no inicio dos anos 90, o Emmanuel Gurgel, do Ceará, pegou este gancho e começou a formar suas bandas. Desaguou no forró eletrônico que é vanerão gaúcho com mulheres seminuas no palco e letras imorais.

    Pra tudo tem que ter um começo!

  • Antonio Carlos

    Pra mim, todo e qualquer instrumento que se some ao triângulo, sanfona e zabumba é bem vindo. O que não deveria ter sido permitido seria se gravar outros ritmos nos discos de forró. No final dos anos 80, alguns forrozeiros dedicaram algumas (ou muitas) faixas dos seus discos às lambadas, e até ao brega romântico (que não se assemelham às toadas cantadas por Luiz Gonzaga em nada). Falha pesada das gravadoras. Aí foi que tudo começou a declinar. Já não era mais possível sustentar uma gravação apenas com forró, xote, xaxado, marcha, baião, rojão, coco, rancheira, quadrilha, toada sertaneja, aboios, arrasta pé e outros gêneros do autêntico forró. Agora é raridade uma gravação apenas com ritmos autênticos. Ainda há tempo de nos conscientizarmos. Até mesmo porque somos, na maioria das vezes, independentes em nossas produções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem somos

Somos uma rede filantrópica colaborativa de colecionadores e músicos.

Uma comunidade que se conheceu e se comunica virtualmente, unidos em torno de uma paixão comum, o forró tradicional.

Quer saber mais da nossa história?
Continue navegando neste portal.

Um grade abraço,
DJ Ivan

Facebook