CD – Roberto Araújo – Ceguim por forró

capa p

Colaboração do Macambira, do Rio de Janeiro – RJ

ROTULO p

Roberto é paraibano da cidade de Souza.

FUNDO p

Mora no Rio de Janeiro há muito tempo.

FUNDO2 p

Ele é irmão de Chico Salles, que também é um grande poeta.

Roberto Araújo – Ceguim por forró

01 Deixa a tanga voar (Luiz Gonzaga – João Silva)
02 Jardim do amor (Lindolfo Barbosa – Antonio Ceará)
03 Coronel Antonio Bento (João do Vale)
04 Pau de arara é a vovozinha (Gordurinha)
05 Forró pesado (Lindolfo Barbosa – Assisão)
06 Forró do poeirão (Antonio Barros)
07 Nessa estrada da vida (Vandir Geraldo)
08 Asas da ilusão (Accioly Neto)
09 Me dá teu coração (Accioly Neto)
10 Quando bate o coração (Accioly Neto)
11 Homem de saia (Enéas de Castro – Gatinho)
12 Volta morena (João Lira – Paulo Cezar Pinheiro)
13 Pot pourri
Brincadeira na fogueira (Antonio Barros)
Naquele São João (Antonio Barros)
É madrugada (Cecéu)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira – Nova História Da MPB 11

Capa

Colaboração do William de Paiva Vital, de Recife – PE

Encarte 4Encarte 2
Selo Lado 1Selo Lado 2
Encarte 6Encarte 12

Uma linda coletânea que relembra os principais sucessos emplacados pela dupla Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira.

Contra-Capa

Além do Rei do Baião, a coletânea recebeu as participações de Quatro Ases e Um Coringa, Gilberto Gil e Gal Costa

Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira – Nova História Da MPB 11
1977 – Abril Cultural

01. Baião (Luiz Gonzaga – Humberto Teixeira) Quatro Ases e Um Coringa
02. Vira e Mexe (Luiz Gonzaga) Luiz Gonzaga
03. Qui Nem Jiló (Luiz Gonzaga – Humberto Teixeira) Luiz Gonzaga e Regional De Benedito Lacerda
04. Dezessete Légua E Meia (Humberto Teixeira – Carlos Barroso) Gilberto Gil
05. Vozes Da Seca (Luiz Gonzaga – Zé Dantas) Luiz Gonzaga
06. Paraíba (Luiz Gonzaga – Humberto Teixeira) Luiz Gonzaga
07. Asa Branca (Luiz Gonzaga – Humberto Teixeira) Luiz Gonzaga
08. Assum Preto (Luiz Gonzaga – Humberto Teixeira) Gal Costa

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Edgar dos 8 baixos – Fole sem pantin

Frente

Colaboração do Lourenço Molla, de João Pessoa – PB

Selo ASelo B

Na zabumba Dió de Araújo.

Verso

Gravado em São Paulo – SP, com direção artística e de produção de Antonio Ramos.

Edgar dos 8 baixos – Fole sem pantin
Unacam

01 – Forró só presta assim (Edgar dos Santos – Naldo do Baião)
02 – Forró na casa do Zé (Edgar dos Santos – José Augusto dos 8 Baixos)
03 – Aqui só tem eu (Edgar dos Santos – Sebastião do Forró)
04 – De Muricí a Maceió (Edgar dos Santos – Edvaldo dos Santos)
05 – Lá vai espeto (Edgar dos Santos – DMatos)
06 – Meu pai tocava assim (Edgar dos Santos – Naldo do Baião)
07 – Fole sem pantin (Edgar dos Santos – Salvador)
08 – Lá vai chibata (Edgar dos Santos – João do Ritmo)
09 – Saco de osso (Edgar dos Santos – Salvador)
10 – De Manaus a Mato Grosso (Edgar dos Santos – Salvador)
11 – Na sombra do cajueiro (Edgar dos Santos – Silva Ramos)
12 – Levanta o pau (Edgar dos Santos – Salvador)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

CD – Flávio Leandro – O Poeta Cantador

capa

Esse é o mais recente trabalho do Flávio Leandro.

cd

Gravado em Monteiro – PB.

verso

Destaque para “Paraíba apaixonado” de Cecílio Nena e Genival Lacerda.

Flávio Leandro – O Poeta Cantador
2014

01 Velho carro (Flávio Leandro)
02 Problema seu (Flávio Leandro)
03 Meia porta (Flávio Leandro)
04 A letra do tempo (Elmo Oliveira – Flávio Leandro)
05 Voltei (Bosco Carvalho)
06 Salve simpatia (Davi Leandro)
07 Puliça (Flávio Leandro)
08 Flor de Croatá (João Silva)
09 No teu abrigo (Flávio Leandro)
10 Paraíba apaixonado (Cecílio Nena – Genival Lacerda)
11 Assim não dá (João Sereno – Manuca Almeida – Lú Almeida)
12 Nordestinês (Flávio Leandro)
13 No estalo do dedo (Flávio Leandro)
14 Quero ter você (Pekim – Mourão)
15
Pedras que cantam (Dominguinhos – Fausto Nilo)
Depois da derradeira (Dominguinhos – Fausto Nilo)
Alegria de Pé de Serra (Anastácia – Dominguinhos)
Isso aqui tá bom demais (Dominguinhos – Nando Cordel)
16 Fim de festa (Flávio Leandro)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

CD – Zezé Martins – Vol. 04 – O Pinto

Volume - 04 - frente

Colaboração do sergipano Everaldo Santana

Volume - 04 - ficha técnica

Gravado em Caruarú -PE.

Volume - 04 - verso

Arranjos de Carlos Firmino, Zé Duarte e Sandro Silva.

Zezé Martins – Vol. 04 – O Pinto
2014

01 – Beijando muito (Zezé Martins)
02 – Mulher barraqueira (Zezé Martins)
03 – O Pinto (Zezé Martins)
04 – Babado forte (Zezé Martins)
05 – O escondidinho (Zezé Martins)
06 – Fui criado assim (Zezé Martins)
07 – Na Selva da Vida (João Gonçalves – Zé Duarte)
08 – No Cariri é assim (João Gonçalves)
09 – Sexo frágil (Zezé Martins)
10 – Picada de Besouro (João Caetano – Zé Duarte)
11 – Não arrebenta a Sapucaia (Zezé Martins)
12 – Forrozeiro do bom (Zezé Martins – Edmilson Silva)
13 – Quenga de categoria (João Gonçalves – Zé Duarte)
14 – Ela amou Jô (João Gonçalves – Zé Duarte)
15 – Noite de São João (Zezé Martins)
16 – São João em Catu (Zezé Martins)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

CD – Aracílio Araújo – Um baião para outro rei – Vol.6

capa

Colaboração do Paulinho Rosa, de São Paulo – SP

cd

Gravado em Recife – PE.

verso

Participações especiais de Santanna e Alceu Valença.

Aracílio Araújo – Um baião para outro rei – Vol.6
2014

01 Um baião para outro rei (Aracílio Araújo)
02 Coxixoxá (Corró)
03 Cartão postal da natureza (Aracílio Araújo)
04 Bueiro da usina (Zé do Norte)
05 Remelexo swing e suor (Aracílio Araújo – Marinês)
06 Tributo a João Silva (Aracílio Araújo)
07 Forró de Olinda (Aracílio Araújo – João de Lima)
08 Arco Íris do progresso (Aracílio Araújo – Zé Hertz)
09 Saudade de Ouricuri (Aracílio Araújo)
10 Meu girassol (Aracílio Araújo)
11 Minha bandeira (Aracílio Araújo)
12 Deixa o rio desaguar (Aracílio Araújo)
13 Flor mulher (Pinto do Acordeon – Aracílio Araújo)
14 Eu quero ver você dizer que eu sou ruim (A. Valença – A. Monteiro – Aracílio Araújo)
15 Forró da gente (Aracílio Araújo)
16 Merengue dela (Aracílio Araújo – Arlindo dos 8 Baixos)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Elba Ramalho – Encanto

capa p

Colaboração do João Gabriel, de Niterói – RJ

seloa pselob p

Esse disco foi lançado em CD e LP.

foto p

A faixa 13 só é encontrada na versão CD.

verso p

Destaque para “Que Nem Vem-vem” de Maciel Melo.

Elba Ramalho – Encanto
1992 – Philips

01. São João na Estrada (Moraes Moreira)
02. Flora (Ednardo / Dominguinhos / Climério)
03. Alegria Real (Saul Barbosa / Jaime Sodré)
04. Que Nem Vem-vem (Maciel Melo)
05. Dúvida (Luiz Gonzaga / Domingos Ramos)
06. Caminhos do Coração (Gonzaguinha)
07. Miragem do Porto (Lenine / Bráulio Tavares)
08. Cidadão (Moraes Moreira / Capinan) Participação: Margareth Menezes
09. Na Hora ”H” (Oswaldinho / Eliezer Setton)
10. Noites Olindenses (Carlos Fernando)
11. Amor de Índio (Beto Guedes / Ronaldo Bastos)
12. Encanto (Ligia Anel / Xico Chaves / Jards Macalé / Christianne Dardenne)
13. Eu Vou Te Amar (Geraldo Azevedo / Pipo Spera)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

CD – Janio – O caceteiro do forró – O bonitão do pé de serra

capa p

Colaboração do Macambira, do Rio de Janeiro – RJ.

ROTULO p

“…Tai mais um trabalho realizado no Macamba Studio Musical: Janio – O caceteiro do forró.

FUNDO2 p

Esse é o primeiro CD dele. Ele já é bastante conhecido no cenário do forró. No momento ele trabalha na Feira de São Cristóvão”

Janio – O caceteiro do forró – O bonitão do pé de serra
2014

01 Roque do jegue (Célio Roberto – Bráulio de Castro)
02 Panela velha (Moraezinho – Uri Silvestre)
03 Numa sala de reboco (Luiz Gonzaga – José Marcolino)
04 Meu cenário (Maciel Melo)
05 Difícil demais (Os Nonatos)
06 Eu quero ver você dizer que sou ruim (Alcimar monteiro – Alceu Valença – Aracílio Araújo)
07 Ponto final (Os Nonatos)
08 Um de nós por dois eus (Os Nonatos)
09 Forró metaleiro (Luiz Wanderley – Aluísio Silva – Rui de Souza)
10 Eu só quero um xodó (Anastácia – Dominguinhos)
11 Gostoso demais (Dominguinhos – Nando Cordel)
12 Diga pra mim (Philosopher – Jane Carol – Peter Palpini – vers: Frank lane)
13 Buli com tu (Cecéu)
14 Não lhe solto mais (Cecéu)
15 Quem dera (Nando Cordel – Genival Lacerda)
16 Forró do tico tico (Pinto do Acordeon)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

CD – Ararão do Nordeste – Um Baú de Amor

capa p

Colaboração do Dandão, de São Paulo – SP

verso p

Produção artística do Mestrinho do Acordeon e participações especiais de João da Passarada e Erivaldo de Carira.

Ararão do Nordeste – Um Baú de Amor

01 Um baú de amor (Luiz Paulo)
02 Baioneiro Gonzagão (João Silva)
03 Xote puladinho (João Silva)
04 Forró agarradinho (João Silva)
05 Saudade dói (Humberto Teixeira)
06 Herança de meu pai (Benício Guimarães)
07 Quero sambar (Noemia da Bahia – Jackson do Pandeiro)
08 Amor com ela (Durval Vieira – Erivaldo de Carira)
09 Cavalo bom (Ararão do Nordeste – José Maciel)
10 Festa de gado (Tonho Zabelê)
11 Amor e vento (Aguia do Norte)
12 Quer ganhar meu coração? Eu do (Luiz Paulo)
13 Meu amigo (Durval Vieira – Káka)
14 Forró do bom (Ararão do Nordeste)

Para baixar esse disco, clique aqui.

Se estiver com dificuldade para baixar e descompactar os arquivos, tire suas dúvidas em nosso manual “passo a passo”, clique aqui.

Texto – Impactos da cultura livre na produção e no consumo

*Link enviado pelo Arlindo.
Texto de André Deak

Fato: as novas gerações não entendem a cópia de arquivos digitais como um ato que contenha qualquer problema ético. Segundo pesquisa do Ipea divulgada em 2012, dois de cada cinco usuários da internet no país podem ser considerados piratas. Seriam, assim, 13,88 milhões de piratas no Brasil. Teríamos mais piratas que a população inteira de Portugal.

Não é uma situação brasileira, apenas. No mundo todo se discute o quanto a pirataria avança, sempre mais e mais, e o quanto ela geraria de perdas para as empresas, produtores, distribuidores. Perdas, na maioria dos casos, calculadas sobre o número de vezes que a música, filme, software ou livro foi baixado online, como se cada download ou venda em camelô significasse uma venda a menos na loja, o que simplesmente não é verdade.

Mas sem entrar neste debate específico, há duas grandes vertentes nesta discussão: de um lado, os que defendem “conscientizar” as novas gerações, utilizando para isso a lei, buscando penas duríssimas em alguns casos, como exemplos, para assim “disciplinar” as populações; os mesmos que veem no compartilhamento digital algo a ser impedido, um problema; de outro, os que enxergam aí uma oportunidade, inclusive comercial, e um novo modelo de consumo e distribuição; os que querem mudar as leis.

Talvez seja possível dividir em três grandes etapas, ou estocadas, as que abalaram alguns grupos de intermediários bem diferentes. Os primeiros a sentirem o impacto da internet – impacto financeiro – foram os jornais, impressos, sobretudo. No início da web, ficou fácil encontrar as informações publicadas nos jornais diariamente sem ter que pagar por isso mais do que a assinatura do plano de internet. Os jornais, com vendas em decadência também por outros motivos, viram no acesso a suas informações online, de maneira gratuita, um dos vilões de sua crise. Há mais de 10 anos os impressos discutem quais são os motivos do problema de seu financiamento e como superá-lo, e chegaram inclusive a assinar uma declaração internacional que impedisse o Google de republicar suas notícias no sistema de busca, alegando que seria uma violação de direito autoral republicar um link para suas notícias. Uma medida que colocava os jornais mais fora da grande rede e que não fez com que, em última instância, os leitores voltassem a buscar notícias pagas. Outro exemplo mais recente foi a Rede Globo, que saiu do Facebook, alegando que a rede social era irrelevante e gerava apenas entre 1% e 2% de seus acessos online, e voltou, cerca de um ano depois. Os jornais deixaram de ser o pedágio entre os leitores e a informação e foram os primeiros a perceber que teriam que mudar neste novo contexto. A resposta sobre qual seria esta mudança ainda é alvo de debates, mas existem alguns novos caminhos abertos.

O segundo impacto veio sobre a indústria da música, dos distribuidores, sobretudo, num momento em que a banda da internet deixava de ser tão estreita. É quando ocorrem os casos do Napster e de todos os outros sites de torrents, arquivos que são quebrados em milhares de partes e compartilhados em cada pedaço simultaneamente entre todos os que estão conectados na rede.

O terceiro impacto seria sobre a indústria de filmes, de conteúdo audiovisual. Não é à toa que a Motion Picture Association of America (MPAA) passou a integrar o consórcio que define as regras da internet (W3C), e que este consórcio discute agora um sistema de proteção de direitos autorais inerente ao código de toda a internet, dentro do HTML5. A MPAA representa seis dos maiores estúdios norte-americanos: Walt Disney Studios Motion Pictures; Paramount Pictures Corporation; Sony Pictures Entertainment Inc.; Twentieth Century Fox Film Corporation; Universal City Studios LLC; and Warner Bros. Entertainment Inc. Um dos grandes pensadores da web, Cory Doctorow, publicou um post dizendo que 2014 poderá ser “o ano em que perdemos a web”7 se houver de fato essa restrição à troca e download de conteúdos. Não se trata apenas de baixar músicas, mas de compartilhar novas ideias. Não fosse a web livre, não existiria nem mesmo a internet, que é feita sobre código aberto.

Pessimismo (ou realismo) à parte, estes três impactos geraram, em cada setor, diferentes e criativos modelos de negócio, em que o grátis é parte fundamental da estrutura de distribuição. Estariam, assim, muito mais alinhados ao que tem sido chamado de Cultura Livre, termo que se popularizou principalmente depois de 2004, quando o advogado Laurence Lessig publicou o livro Free Culture. Lessig é criador de uma licença que flexibiliza o copyright chamada creative commons, que é uma das licenças livres mundialmente mais utilizadas pelos ativistas da cultura livre.

(…) cultura livre é uma visão da cultura baseada na liberdade de distribuir e modificar trabalhos e obras criativas livremente. O movimento da cultura livre envolve a produção e a defesa de diversas formas de conteúdo livre, como o software livre, conhecimento livre, música livre, entre outros. É uma extensão lógica da filosofia do Software Livre aplicada a artefatos culturais. Baseia-se nas 4 liberdades trabalhadas por Richard Stallman, criador do Movimento do Software Livre:
1. A liberdade de executar a obra para qualquer propósito.
2. A liberdade de estudar como a obra funciona, e para isso o acesso ao código-fonte/processo é um pré-requisito básico.
3. A liberdade de redistribuir cópias de modo a beneficiar outras pessoas.
4. A liberdade de aperfeiçoar a obra e liberar suas melhorias.
(SOLNIK, Andre. FOLETTO, Leonardo. 2013)

É a partir destes princípios que muitos produtores e consumidores culturais começaram a retirar os intermediários de seus lugares. Na música, os shows passaram a ser mais interessantes como geradores de renda para os artistas do que a venda de música. Em alguns casos, como no tecnobrega brasileiro, a inovação chegou a incluir inclusive a pirataria: os músicos distribuem suas novas canções antes para os camelôs. Assim, geram e testam a demanda em cada região: quanto mais gente souber deles ali, conhecer suas músicas, mais pessoas estarão dispostas a ir a um show. A banda passar a ser remunerada pelo show e não mais na distribuição da música (LEMOS e CASTRO, 2008). No caso do audiovisual, já existem NetFlix, NetMovies e outros canais em que a distribuição gratuita, ou muito barata, pode também ser um novo paradigma.

Uma crítica comum afirma que apenas autores consagrados, grandes jornais, músicos ou cineastas seriam beneficiados pela livre distribuição, porque seus fãs, mais tarde, pagariam por outros produtos ou serviços. Como ocorreu com a banda Radiohead, que colocou na internet um link para baixar seu novo disco, In Rainbows, desde que quem o fizesse pagasse quanto quisesse, inclusive nada. A banda afirmou que ganhou o mesmo distribuindo assim sua música do que se tivesse feito da maneira tradicional, pagando caro pela distribuição e ficando apenas com parte da renda.

Entretanto, mais e mais artistas, produtores culturais em geral, tem optado pela livre distribuição, com uma lógica simples: quanto mais longe chegar o seu produto, quanto mais ele for distribuído, mais pessoas conhecerão o trabalho. Se as pessoas julgarem que este é um trabalho original, interessante, profissional, poderão contratar estes produtores, artistas, para novos trabalhos. Que serão distribuídos novamente, gerando um ciclo virtuoso.

Neste universo, não será mais possível viver de royalties, de direitos sobre propriedade intelectual. É um universo de criadores, consumidores e fãs, que utilizam livremente conteúdos e reinventam maneiras de gerar renda – algo que não está claro ou bem definido ainda, mas que pode ser visto como oportunidade. De qualquer forma, para todos estes, a cultura e o conhecimento devem ser livres. Será tarefa difícil convencer as novas gerações do contrário.

*Este artigo é uma versão reduzida do publicado no livro da pesquisa Panorama Setorial da Cultura Brasileira 2013/2014. Ele pode ser acessado na íntegra no site www.panoramadacultura.com.br.

1 2 3 4

Quem somos

Somos uma rede filantrópica colaborativa de colecionadores e músicos.

Uma comunidade que se conheceu e se comunica virtualmente, unidos em torno de uma paixão comum, o forró tradicional.

Quer saber mais da nossa história?
Continue navegando neste portal.

Um grade abraço,
DJ Ivan

Facebook